Saiba como fazer a gestão de dados com eficiência na empresa

9 minutos para ler

Dados são instrumentos de avaliação fundamentais para o dia a dia das empresas. Para guiar as organizações rumo aos seus objetivos, os administradores precisam de parâmetros que sirvam de subsídio para a tomada de decisão. Porém, com o avanço da tecnologia e o advento da revolução digital a quantidade de informações aumentou, o que torna essencial a adoção de estratégias mais eficientes para a gestão de dados.

O objetivo deste artigo é aprofundarmos o conhecimento sobre o que é, como funciona a gestão de dados nas organizações e também como ela pode ser realizada de forma mais eficiente. Confira tudo isso a seguir!

O que é e como funciona a gestão de dados?

Para construir um melhor aproveitamento do conteúdo, primeiramente vamos abordar o conceito de gestão de dados para só então prosseguirmos para a parte prática. A gestão de dados nos dias atuais tem foco em informação digital, mas nem sempre foi assim.

Basicamente quando tratamos da questão da gestão de dados nos referimos às práticas de organização e manutenção de dados (que é o nível mais básico de informação), com o intuito de suprir a demanda por mais informações para fins analíticos, comerciais e estratégicos dentro do contexto corporativo.

Sendo assim, ela é um processo administrativo composto pelo levantamento, depuração, armazenamento, segurança e processamento de dados com o objetivo de torná-los acessíveis, confiáveis e disponíveis a determinado público de interesse. Para controlar a informação de uma forma eficiente e que dê aos dados uma destinação mais proveitosa dentro da empresa, é fundamental criar uma estratégia de gestão de dados que seja sustentável, escalável e segura.

Para este fim, existem inúmeras soluções como plataformas, estratégias multi cloud, ferramentas da data viz, data wareouses que também devem ser exploradas em busca da maior eficiência e sustentabilidade. Dito de outra forma, a quantidade de dados que uma empresa obtém não diz muito sobre a sua inteligência, mas sim a forma como ela analisa e transforma tudo em informação útil para o aprimoramento dos seus processos internos, para melhoria do atendimento ao cliente, a tomada de decisões e o posicionamento de mercado.

Além disso, o controle eficiente dos dados também permite que a empresa esteja em conformidade (compliance) com o que dita todo o regramento legal aplicável em especial a LGPD – Lei Geral de Proteção de Dados. Essa lei estipula as boas práticas em relação ao uso de dados próprios e de terceiros que estejam de posse da empresa, aplicando punições em casos de utilização indevida e vazamentos.

Com tudo isso, a empresa vai se tornando cada vez mais data driven, ou seja, uma organização que toma decisões baseadas em informações relevantes e não em meras suposições ou achismos dos seus gerentes ao mesmo tempo em que democratiza o usa da informação e dilui os riscos da criação de silos de dados.

Como realizar uma gestão de dados eficiente?

Agora que já temos o conceito bem definido, chegou o momento de conhecermos quais são as boas práticas recomendadas para que as empresas consigam realizar uma gestão de dados mais eficiente. Confira a seguir 7 dicas principais.

1. Solução cloud vs on premise

Soluções em nuvem beneficiam as ações de gestão de dados ao incorporarem o componente de redução de gastos em relação aos elevados custos em hardwares de armazenamento e processamento. Hoje não faz sentido utilizar uma solução on premise, pois o custo é maior e as opções são limitadas.

Ao transferir as ações de armazenamento de dados a servidores remotos, por exemplo, a empresa ganha facilidade de escala de processamento e armazenamento quando necessário, podendo efetuar pagamentos de acordo com o uso de recursos, além da possibilidade de utilizar serviços de inteligência artificial.

Além disso, à nuvem proporciona melhores mecanismos de segurança multi camada, sendo projetada para escalar os serviços conforme a necessidade e contando ainda com ferramentas para o processamentos de dados em massa. 

2. Controle do Fluxo de dados

O primeiro passo para gestão de dados é a sua coleta. Sendo assim, é fundamental contar com o auxílio da automação para que esses dados sejam mais precisos e confiáveis, eliminando pelo menos parcialmente o fator de erro humano. As ferramentas de ETL são excelentes para este trabalho pois conseguem extrair os dados de um sistema ajudando a gerenciar e a orquestrar o pipeline de dados de uma maneira muito otimizada.

Outras ferramentas para o controle de fluxo de dados são o Google Data Fusion e Informatica Cloud. O Google Data Fusion é uma solução que fornece a Integração de dados nativos da nuvem com gerenciamento completo dos dados em qualquer escala de operação. Já o Informatica Cloud é uma solução que entre suas características principais possui a integração em tempo real dos dados além de contar com ferramentas para criação de API e automação de processos.

3. Garanta a segurança dos processos

A LGPD – Lei Geral de Proteção de Dados já aprovada no Brasil prevê pesadas sanções relacionadas ao vazamento de dados de terceiros que estejam em posse das empresas. As informações sensíveis da própria empresa podem gerar situações críticas se forem extraviadas ao público externo.

Sendo assim, seja para proteção de terceiros como clientes e fornecedores, e até mesmo da própria empresa é preciso desenvolver protocolos de segurança muito bem definidos. Certifique-se de que a sua empresa adota classificação de níveis de acesso entre os colaboradores, senhas de proteção, mapeamento de Informações Pessoais Identificáveis (PII) para mascaramento e outros itens como autenticação em dois fatores, como forma de segurança em todos os seus processos. 

4. Desenvolvimento da maturidade analítica

A maturidade analítica precisa ser desenvolvida nas políticas de gestão de dados das empresas. O desenvolvimento de maturidade analítica reforça o poder de avaliação dos dados coletados proporcionando mais informações relevantes para o gestores e gerando mais benefícios para a organização como um todo.

Também é preciso ressaltar a importância de criar um ecossistema interno que favoreça o consumo dos dados e a cultura analítica na empresa. A criação de comunidades internas para estudo, exploração de casos de uso e compartilhamento dos insights obtidos, são importantes instrumentos para a otimização de processos.

Essa iniciativa de construção de comunidades internas geralmente envolve o apoio de consultorias especializadas que devido a sua experiência conseguem garantir mais efetividade ao processo de implementação.

5. Encurte o caminho

Uma das vantagens da revolução digital na qual estamos inseridos é a possibilidade de poder contar com ferramentas avançadas que auxiliam a gestão de dados a ser ainda mais eficaz. Atualmente é possível consumir serviços de inteligência artificial de forma muito fácil como o Google API Vision por exemplo.

Trata-se de um dos produtos de visão computacional do Google que utiliza recursos de aprendizado de máquina (machine learning) para identificar, classificar e rotular imagens com grande precisão. Sendo assim, procure incorporar aos seus processos as soluções mais adequadas ao perfil da sua empresa como soluções em Inteligência Artificial como o próprio API Vision, Speech Analytics, Natual Language API, Auto ML e outras possibilidades que o Google oferta como serviço aos seus clientes.

6. Empoderamento das áreas de negócio

O processo de análise de dados não precisa ser excessivamente concentrado e restrito a determinado departamento ou responsável da empresa. A gestão de dados eficiente deve possibilitar um maior poder de ação dos analistas e cientistas de dados.

Dessa maneira, poderão efetuar experimentos, proceder com as avaliações de cenários e executar outras atividades a fim de tornar a informação o mais relevante possível para os demais setores das organizações — afinal quanto mais restrito um trabalho, mais lento e burocrático ele tende a ser.

É preciso se atentar ainda que as melhores soluções em gestão de dados do mercado possuem itens básicos de controle como a capacidade de catalogar os dados para que outras áreas da empresa consigam entender e também consumir.

7. Monitore para crescer

O monitoramento de todo o processo de coleta, armazenamento e análise de dados precisa ser constante e não esporádico. Isso é importante pois informações capazes de influenciar nos rumos de um negócio geralmente são obtidas por meio da análise de séries históricas de dados, revelando tendências que em periodicidades mais curtas tornam-se imperceptíveis e escapam da visualização dos analistas.

Até aqui podemos entender a importância de aplicar uma gestão de dados eficiente nas empresas com o objetivo de auxiliar na tomada de decisão, entre outros. Por mais óbvio que pareça após esta leitura, é preciso destacar que as consequências de não realizar uma boa gestão de dados pode levar uma empresa a estagnação, a tomada de decisões falhas, a deterioração das suas operações e finalmente a perda do poder competitivo.

Então o que achou do artigo? Já entende todos os benefícios da gestão de dados eficiente para o sucesso da sua empresa? Aproveite e leia também este outro artigo do blog e amplie ainda mais os seus conhecimentos sobre Data Analytics.

Posts relacionados

Deixe um comentário